Uncategorized

Amamentação é uma delícia para a mãe e, claro, para o bebê

Até o dia 8, estamos na Semana Mundial de Aleitamento Materno. Portanto, nada mais importante do que falar daquele momento mais do especial – e até mágico – entre a mamãe e seus pequenos.

Além de ajudar a prevenir diversas doenças, ser a maior fonte de nutrientes para o bebê e, claro, criar o mais importante dos vínculos da criança nos primeiros meses de vida – com a mãe – a amamentação pede certas dicas.

Portanto, para deixar este momento ainda melhor com seu bebê, confira essas dicas:

1) Prepare-se para a hora de amamentar

Escolha um local arejado, calmo, sem muitas interrupções. Esteja relaxada e conectada com aquele momento – se você pega o bebê para mamar estressada ou compressa, ele sente a tensão e o aleitamento pode não ser bem-sucedido.

2) Tente observar a necessidade do seu filho

Faça intervalos de maneira que ele não esteja morto de fome na hora de alimentá-lo, pois o bebê tende a estar mais estressado e pode não mamar corretamente.

3) A pega correta

Praticamente 100% do sucesso da amamentação está relacionado à pega correta. Isso significa que o bebê deve ter o corpo voltado ao da mãe, barriga com barriga, a cabeça em posição mais elevada que o bumbum, na altura do seio da mãe, lábios bem para fora, como queixo próximo da mama, bochechas bem redondas, abocanhando o máximo da aréola que ele conseguir, nunca só o bico.

4) Sem barulhos

Qualquer barulho na boca do bebê durante a mamada é porque algo está errado. Estalos na língua ou som semelhante a um beijo não devem fazer parte desse momento, apenas ruídos da sucção e deglutição. Caso escute qualquer coisa além disso, tire o bebê do seio e recomece. Se persistir, vale tentar mudar a posição.

5) Sem dor

A dor é mais um sinal de pega incorreta. Atenção: amamentar não deve doer. Mude de posição e lembre-se de sempre trazer o bebê até o seio, nunca o contrário. Mamilo rachado ou machucado também significa que o bebê não está mamando do jeito certo. Nesse caso, geralmente o bebê posiciona a língua no mamilo, comprimindo-o contra o palato – o que dá ao mamilo um aspecto achatado. O leite não sai adequadamente e, além de aparecerem lesões, na maioria das vezes a criança não ganha peso. Mais uma vez, a indicação é tentar novas posições.

6) Mantenha-se hidratada

Nunca se esqueça da garrafa de água quando for dar de mamar – e ainda é bemprovável que você peça para o marido ou alguém buscar mais! Essa sede acontece porque o corpo precisa repor todo o líquido que perde durante a amamentação. Por isso, procure tomar pelo menos dois litros de líquido por dia, principalmente água ou água de coco.

7) Leite excessivo? Estoque e doe

Se você está produzindo mais leite do que seu filho precisa, e se incomoda com o líquido vazando o tempo todo, pode usar as conchas próprias para amamentação. Sempre lembrando que a mama não deve ficar muito úmida e aquecida. Caso use protetores descartáveis, troque-os com frequência. Também vale retirar e estocar leite para os momentos em que você não estiver em casa. Armazene em um pote de vidro com tampa de plástico, esterilizado em água fervente por 15 minutos. A validade é de 12 horas na geladeira e 15 dias no congelador. Quer ajudar o próximo? Procure um banco de leite humano e faça doações – ele geralmente tem serviço próprio de coleta.

8) Cuidado para o leite não empedrar

O excesso de leite pode evoluir para o empedramento dos seios ou até mesmo a mastite, inflamação da glândula mamária. Se isso acontecer, não há necessidade de interromper o aleitamento, mas, após cada mamada, você deve fazer a ordenha para ajudar a esvaziar. Antes, massageie com a ponta dos dedos no sentido horário, da região da mama em direção à aréola, por pelo menos cinco minutos. Após a ordenha, faça compressas frias – nunca quentes! Deixar cair água fria no banho também ajuda. Quando evolui para mastite, que pode causar febre, vermelhidão e pus, é necessário procurar um médico.

9) Mamãe que trabalha fora também amamenta

Você voltou ao trabalho, e agora? O aleitamento materno não precisa – nem deve! – ser interrompido por causa disso. Fica mais difícil, mas vale o esforço. Faça estoque do seu leite e oriente a pessoa que for cuidar do seu filho a dar no copinho, nunca combico artificial – seja de mamadeira ou copo de transição com bico de silicone. Para fazer um estoque e continuar estimulando a produção, o ideal é que, se a criança mamava em casa de três em três horas, por exemplo, você retire leite no trabalho no máximo a cada quatro horas.

10) Descanse sempre que puder

Descanse o máximo que puder entre as mamadas. A rotina da amamentação é cansativa e, se você estiver esgotada física ou emocionalmente, isso afetará sua produção de leite. Por isso, não sinta vergonha em pedir ajuda.

Quer conferir mais dicas? Clique no link abaixo.

Fonte: Revista Crescer 

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *