Babá, Papais e Mamães

Birra? Confira 7 dicas para lidar com esse tipo de comportamento

As atitudes são clássicas: gritam, esperneiam, se jogam no chão, jogam brinquedos e por aí vai. Papais e babás sabem que haja paciência para lidar com uma criança birrenta. Estas explosões de comportamento, inclusive, não têm hora nem lugar: pode acontecer em casa, no supermercado, em uma loja de brinquedos ou nada casa de amigos ou familiares.

Porém, nem tudo está perdido e estamos aqui para te ajudar com 7 dicas para driblar a famosa birra infantil:

1. Sem vergonha

Não ceder e não se importar de passar vergonha!

2. Mais atenção

Explicar porque aquilo é errado e dar uma garantia de castigo se não parar também costumam funcionar. Uma conversa quando criança e adultos estão mais calmos também é recomendável.

3. A frustração

Explicar, depois que a criança se acalmar, o que é frustração. E que se descabelar não é a melhor atitude diante disso.

4. Como eu

Usar exemplos de quando era criança também ajudam a criar empatia com os pequenos. Dizer que entende, que já passou por tal situação no passado, ajuda a acalmar a criança.

5. Motivos reais

Observar o timing da criançada. Afinal, a birra também pode acontecer por fome, cansaço ou sono. Ultrapassar esse limite é arriscado.

6. Para o lixo

Se a criança quebrar um brinquedo, ao invés de consertar ou comprar outro, faça com que ela mesma jogue no lixo. Isso vai ajudá-la a entender a questão de perda e, provavelmente, a atitude de fúrias dela não vai se repetir.

7. Palavra da especialista

“Na hora da birra, a criança não vê, não escuta e não se controla. O melhor nesses momentos é ignorar, mesmo que esteja em ambiente público (leve para um canto e espere pacientemente o show terminar). No caso de agressão física, apenas a contenha para não se machucar. Se já sabe que o seu filho joga o que vê, antecipe-se e tire tudo da frente dele na hora do ataque. Somente depois que ele se acalmar, retome o ocorrido e mostre o quanto os pais estão bravos ou tristes” diz Deborah Moss, neuropsicóloga certificada pelo International Maternity and Parenting Institute (Canadá)

Fonte: Revista Crescer

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *